Depois de testemunhar a hecatombe da Segunda Guerra Mundial e passarmeio século sob domínio soviético, não restam dúvidas de que a Polônia experimentou uma notável inversão de fortuna. Desde o colapso do comunismo, em 1989, o país recuperou sua independência, fortaleceu sua economia e reintegrou-se ao restante da Europa.

É impressionante que se tenham firmado emtão pouco tempo um sistema de governo democrático e os fundamentos deuma economia de livre mercado. Para analisar de perto o papel da Sika no mercadode construção polonês após 25 anos de democracia, tivemos o prazer deconversar com Maciej Horaček, diretor-geral da Sika Polônia.

equipe bem sucedida

O sr. é diretor-geral da Sika Polônia há mais de dez anos. Nesse período, a empresa experimentou um enorme crescimento. Qual é sua fórmula para liderar uma equipe de sucesso?

Eu acredito que a chave para o sucesso está principalmente no fator humano e no ge-renciamento adequado de talentos. Também está na clareza e transparência da estrutura organizacional. É essencial estabelecer um conjunto claro de responsabilidades e metas e providenciar as ferramentas certas para atingi-las. Tendo liberdade de ação dentro de uma determinada estrutura, os colaboradores serão capazes de encontrar os melhores caminhos para trabalhar com eficiência e responsabilidade.

O monitoramento contínuo de todo o processo também é muito relevante, pois nos ajuda a reagir com maior rapidez, revisando e ajustando a estrutura quando necessário. A maioria de nossos principais engenheiros de vendas está conosco há dez, quinze anos. Isso significa que eles construíram seus próprios caminhos dentro da estruturaoferecida, encontrando autoconfiança esatisfação.

Alvos

A Sika Polônia é hoje uma das líderes no fornecimento de produtos químicosespecializados nesse país. Quais são asatuais metas da empresa? Para onde ela caminha?

Eu gosto da definição “líder no fornecimento de produtos químicos especializados”, pois reflete exatamente nossos pontos fortes e nossas perspectivas para o futuro. Deter a liderança desse mercado é algo especialmente significativo na atual “era de ouro” da construção civil local. A Polônia jamais havia recebido um apoio financeiro tão substancial para obras de infraestrutura como o que vem obtendo por meio de vários programas de desenvolvimento da União Europeia.

Em consequência, investimentos de grande porte em infraestrutura se espalharam por todo o país nos últimos dez anos, favorecendo a Sika Polônia, que detém a maior fatia do mercado de produtos químicos especializados. Todavia, é inevitável que o apoio financeiro da UE cedo ou tarde termine. A procura por novos e lucrativos nichos no mercado da construção é de absoluta importância. Vemos grandes chances de crescimento futuro em produtos químicos produzidos em massa, como silicones, espumas de calafetagem e argamassas cimentícias.

Porém, se quisermos oferecer preços competitivos e aumentar nossa participação nesse segmento de mercado, será imprescindível passarmos a produzir localmente. A Sika é a única fornecedora de produtos químicos especializados sem uma base de produção própria na Polônia. Outra oportunidade de crescimento está na contínua expansão do mercado de construção residencial. As vendas nesse setor baseiam-se nos canais de distribuição; por isso, precisamos desenvolver uma estratégia de distribuição sólida e coerente nos próximos dois anos.

mercado de construção na Polónia

Como se encontra o mercado deconstrução polonês? Onde, exatamente, a Polônia precisa da Sika?

A situação atual do mercado deconstrução local é complicada. Há várias lacunas nas regulamentações e pontos fracos nas normas licitatórias, que têm o preço como questão principal. Isso pode resultar em projetos nos quais a qualidade é preterida em favor de preços mais baixos. Hoje já vemos que um grande número de estruturas construídas há não muito tempo precisa de reparos.

A Sika Polônia fornece tecnologias de alta qualidade, mas há muito mais a ser feito. Participamos ativamente do desenvolvimento de normas construtivas e cooperamos tecnicamente com universidades. Graças à forte cooperação entre nossos especialistas e aclamadas instituições acadêmicas – a Associação dos Produtores de Concreto, o Instituto de Pesquisas sobre Construção, o Instituto de Pesquisas sobre Estradas e Pontes etc. –, novas normas harmonizadas e padrões de qualidade europeus estão sendo amplamente introduzidos e aplicados no cenário polonês.

Deixamos nossa marca especialmente na disseminação das normas EN 206-1 (para concreto) e EN 1504 (para reparos em concreto), apenas para citar uma de nossas atividades nesse campo. Em 2015, a Sika Polônia trabalhou com o Instituto de Pesquisas sobreConstrução em diretivas técnicas relativas à aplicação de sistemas de impermeabilização e reforço estrutural. Nossa esperança é que essa cooperação possa trazer melhorias aos padrões de qualidade do mercado de construção polonês.

Projetos Chave

O sr. pode nos contar um pouco sobre os mais recentes projetos-chave da Sika no país?

A Sika Polônia participa dos mais significativos projetos ao redor do país. Concluída em 2014, a Arena Tauron Cracóvia é o maior complexo multiúso (para esportes e eventos) da Polônia. Para essa obra, fornecemos soluções de pavimentação e cobertura. Na outra ponta do país, em Gdansk, está sendo construído o primeiro túnel rodoviário por baixo do Rio Vístula.

Os 7.700 tubos pré-moldados dessa obra foram feitos com misturas de concreto da Sika. Além disso, 110 km da novíssima rodovia de concreto A2, juntamente com diversas pontes e outras estruturas de engenharia, foram executados em sua quase totalidade com tecnologias Sika.

Ano a ano, a empresa participa dos principais projetos de infraestrutura daqui e, paralelamente, alcança também grandes conquistas no segmento industrial. Não há ônibus ou trem na Polônia que não tenha produtos industriais da Sika. Fornecemos soluções para as principais montadoras do mercado, como Volvo, MAN e Solaris.

 

perspectiva

A economia polonesa é a sexta maior da União Europeia e, entre os membros ex-comunistas, é a maior. Antes da recessão do final dos anos 2000, o país chegou a crescer 6% ao ano. Em 2010, a taxa de crescimento foi de 3,9%, um dos melhores resultados em toda aEuropa. Para 2015, foi projetada uma taxa de 3,7%. Parece um panoramabastante positivo, não?

Pode parecer positivo em princípio, mas a situação atual da economia polonesa é muito mais complexa. Uma taxa de crescimento de 3,7% definitivamente não é suficiente para que o país acompanhe o resto do mundo.

O fato de estarmos por ora nos aproximando dos países do ocidente é uma consequência da crise europeia e de resultados locais mais fracos.Todavia, é preciso levar em consideração a origem do crescimento polonês. Em primeiro lugar, há o apoio financeiro da UE, que provavelmente ajuda a estimular nossa economia, mas que, como mencionei, cedo ou tarde chegará ao fim.

Em segundo, os salários e custostrabalhistas do país, que, por serem bai-xos, atraíram um grande número de unidades produtivas. Isso pode ter diminuído a taxa de desemprego por algum tempo, mas o fato é que a Polônia tem buscado uma aproximação com a média salarial europeia.

É mera questão de tempo até que essas empresas mudem suas fábricas para locais com mão de obra mais barata e custos trabalhistas mais baixos.