Uma paleta de cores bem montada pode fazer maravilhas por qualquer ambiente. O uso de cores e elementos gráficos pode evocar emoções e percepções de espaço únicas. As cores podem trazer calma ou excitação, fazer um ambiente parecer menorou mais amplo e até mesmo disparar reações inconscientes. Elas são as ferramentas mais vitais, impactantes e expressivas que um designer tem à sua disposição. Afinal, os efeitos psicológicos e fisiológicos que podem causar são tão variados quanto o próprio número de cores do espectro.

 

Como as cores afetam as pessoas

As reações associadas às cores são espontâneas, podem ser positivas ou negativas e geralmente variam de pessoa a pessoa. Cores provocam efeitos psicológicos e até mesmo fisiológicos, chegando a causar mudanças corporais. Assim sendo, seu uso deve ser cuidadosamente estudado durante o projeto de instalações de saúde, espaços que serão usados por pacientes com diferentes tipos e graus de enfermidade, por uma ampla gama de profissionais e também por visitantes.

 

As cores afetam nossas impressões sobre o espaço: cores suaves e frias tendem a ampliar espaços, enquanto as quentes e escuras tendem a constringi-los, fazendo-os parecer menores. Percepções de peso e tamanho são afetadas de maneira similar, pois cores suaves e frias parecem menos "pesadas" que cores escuras ou brilhantes. Cores têm um efeito comprovado sobre a temperatura corporal: tons quentes (vermelhos, laranja ou amarelos) podem fazê-la aumentar; cores frias têm o efeito oposto. Há também efeitos sobre a percepção do tempo. Um exemplo é a sensação de "permanência estendida" que temos em espaços com cores quentes: neles, o tempo parece passar mais lentamente. Cores podem gerar estímulo ou animação, induzir ao tédio ou à tranquilidade, e até mesmo aumentar a taxa de recuperação de pessoas doentes.

 

É importante observar, porém, que as respostas emocionais às cores dependem fortemente de seu grau de saturação e brilho. Por exemplo: cores menos saturadas e intensas, como o verde-sálvia, têm efeito relaxante. Por outro lado, cores escuras e altamente saturadas, como um intenso azul-safira, podem ser bastante revigorantes. Cada matiz carrega associações e gatilhos emocionais específicos.

 

Vermelho

De todas as cores, é a que tem mais força e energia. O vermelho "toma" os espaços. Em interiores, pode ser usado como contraste, mas pode se tornar excessivo como cor dominante de um ambiente. Escuro e discreto, o castanho-avermelhado exala encanto; contrastes em vermelho intenso e brilhante animam e estimulam. Já foi sugerido que olhar para a cor vermelha pode aumentar a pulsação, a taxa de batimentos cardíacos e a pressão sanguínea. Por esse motivo, não se recomenda seu uso em instalações de saúde.

 

Laranja

Em tons claros ou pálidos, o laranja pode refrescar o ambiente. É preciso pensar bem antes de usar matizes intensos, que têm efeito estimulante.

 

Amarelo

Refletivo, assimila os tons de cores próximas, realçando suas qualidades. É ideal para um hall de entrada ou ambientes com pouca luz natural, pois gera uma impressão de luz solar direta. Quando acinzentado ou pálido, o amarelo refresca o ambiente. Em tons brilhantes, causa muito impacto e seu uso deve ser cuidadosamente avaliado.

 

Verde

Em tons acinzentados, quentes ou frios, o verde é uma boa cor de fundo. Quando mais claro, é relaxante; em tons intensos, pode ser estimulante e revigorante. As cores da natureza, das folhas e das árvores oferecem ótimos matizes para o uso em instalações de saúde sem vista para paisagens naturais.

 

Azul

Cor-chave para a decoração de interiores, todos os seus tons encontram bom uso nos ambientes; em especial na criação de uma atmosfera calmante, ideal para espaços de relaxamento e cura. Acredita-se que olhar para o azul induz à calma e ajuda a dormir. Muitas pessoas se sentem atraídas por essa cor por relacionarem- na à imensidão do céu e à água. Associações comuns: céu, mar, imensidão, tranquilidade, lealdade, formalidade.

 

Roxo

Geralmente usado para pequenos contrastes, o roxo (ou púrpura) pode ser muito dramático. Em superfícies extensas, pode ser perturbador. Essa cor tende a estimular a parte criativa do cérebro, e por isso não é recomendada para áreas com pacientes que precisam descansar a mente.

 

Branco

Por ser capaz de gerar uma impressão de amplitude, é muito útil aos designers no trato com ambientes pequenos. Em áreas de circulação de pacientes, porém, o uso exclusivo do branco pode criar riscos para pessoas com acuidade visual reduzida. Cores variadas geram referências visuais e espaciais, prevenindo quedas.

 

Cinza

Ótimo para neutralizar o efeito de tons mais vibrantes, o cinza pode ser combinado com praticamente todo e qualquer matiz.