EMERGÊNCIA

Em filosofia, ciência e arte, emergência é um processo pelo qual entidades maiores surgem por meio de interações entre entidades menores ou mais simples, de modo que as entidades maiores exibem propriedades que as menores ou mais simples não exibiam. Em filosofia, emergência é muitas vezes entendida como uma afirmação sobre a etiologia das propriedades de um sistema. As estruturas emergentes aparecem em muitos níveis diferentes de organização ou em ordem espontânea. A auto-organização emergente aparece frequentemente em cidades nas quais nenhum planejamento ou entidade de zoneamento predetermina o layout urbano. O estudo interdisciplinar de comportamentos emergentes geralmente não é considerado um campo homogêneo, mas está dividido entre seus domínios de problema ou aplicação. Arquitetos e paisagistas talvez não projetem todos os caminhos de um complexo de edifícios. Em vez disso, eles podem deixar emergirem padrões de uso e então colocar o pavimento onde os caminhos se desgastaram.

A ecologia da construção é uma estrutura conceitual para entender a arquitetura e o ambiente construído como a interface entre os elementos dinamicamente interdependentes dos edifícios, seus ocupantes e o ambiente maior. Mas a formação de novas características ou estruturas de um sistema devido à interação de seus elementos pode ser encontrada em todos os campos das nossas vidas. Por exemplo, a Sika Peru estabeleceu uma estufa hidropônica com fins educativos (p. 18). 30 funcionários de Produção e mais outros 30 de Administração e Vendas estão ativamente envolvidos no projeto. Foram identificadas novas possibilidades de colheita de alimentos saudáveis, e a nutrição dos funcionários e suas famílias pode ser melhorada com culturas ricas em ferro, como espinafre ou agrião. Além disso, a construção da maior edifício escolar de madeira do mundo (p. 5) está criando muita diversidade e novas possibilidades. Com lugar para 800 alunos, o complexo acomoda uma escola de ensino fundamental e médio. O edifício também inclui espaço para institutos não governamentais e um clube esportivo. Os quatro elementos juntos abrangem uma área total de 9.700 m².

Em outro lugar, a artista suíça Monica Jäger reflete sobre as utopias das casas populares da década de 1960 (p. 41). Prestando homenagem ao material de construção utilizado, ela cria uma configuração complexa de plantas que evocam a forma do empreendimento original e emprestam uma forma inusitada para novas características.