A Espanha é um país surpreendente com sua própria cultura e tradiçõesúnicas. Viajando de norte a sul, visitando as maiores cidades, como Barcelona,Valência e Madri, você também acaba conhecendo e se apaixonando por todasas pequenas aldeias com sua arquitetura histórica e moradores amigáveis. E, daí, há Sevilha no sul. Além de sua beleza, quem já se deparou com uma sessão de flamenco espontânea durante uma caminhada em uma tarde qualquer de domingo não vai se esquecer desse lugar, e pode muito bem voltar outras vezes. Fomos ao coração do país, a capital, Madri, para nos encontrarmos com Ángel González Lucas, Gerente Geral da Sika Espanha, e ouvir o que ele acha do seu país.

 

Quais são seus segredos pessoais para gerenciar uma equipe?

Não há segredos. A Sika Espanha é uma empresa com claro foco no cliente que se destaca da concorrência ao buscar inovação contínua em produtos e serviços. Além disso, quando você se cerca dos melhores profissionais, pessoas focadas e motivadas, tudo fica mais fácil. O que faz a diferença entre boas empresas e as melhores empresas é a equipe que você reúne.

Qual é o truque? Saber que você está trabalhando na melhor empresa, com os melhores produtos, a melhor equipe e os melhores clientes...

 

Qual é a primeira coisa que vem à mente quando você pensa em trabalhar na Espanha?

Comprometimento, criatividade, entusiasmo, profissionalismo... Neste momento, a Espanha é um país muito atraente, altamente desenvolvido e modernizado, com enormes oportunidades em uma grande variedade de setores e com um conjunto de jovens profissionais ultraqualificados para quem a mobilidade já não é um obstáculo.O impacto da crise no setor da construção, que começou em 2008, forçou as empresas espanholas de construção e engenharia a expandirem seu know-how e modelos de negócio para diferentes mercados emergentes e desenvolvidos em todo o mundo, com grandes projetos como a linha ferroviária de alta velocidade da AVE para Meca, o Canal do Panamá, o Metrô de Quito ou o Anel Olímpico de Londres...

 

A crise financeira perturbou profundamente toda a economia espanhola e o mercado da construção em 2008. Como executivo, como você lidou com essa situação muito difícil para superar a crise?

Por diversas razões, a Espanha manteve um nível muito alto de atividade no setor da construção, com os volumes de cimento em 2004 e 2005 atingindo 56 milhões de toneladas e 800.000 novas casas por ano. O impacto da crise na Espanha foi triplo: colapso financeiro global, problema de dívidas e queda na construção. Isso arruinou 80% do mercado de construção, com um efeito drástico sobre a economia do país.

Naquele momento, jogávamos em um modelo altamente diversificado e flexível que nos permitia tomar decisões rápidas na fase inicial da crise. Além disso, ao longo desse período, a Sika Espanha manteve-sefiel à sua base estratégica de oferta de produtos e serviços inovadores aos seus clientes, razão pela qual, durante esses 8 anos de crise, a empresa manteve seus níveis de investimento em marketing, organização, P&D e em seu departamento técnico. Isso significa que fomos capazes de avançar com iniciativas promocionais e de treinamento semelhantes àquelas dos anos mais ativos, diferenciando-nos claramente dos nossos concorrentes.

Gostaria de salientar que a Sika Espanha conseguiu gerir a crise em nível local com um modelo bem-sucedido, graças à grande liberdade de ação e confiança que nos foi concedida pelo Grupo Sika.

 

A Espanha ocupa agora o terceiro lugar entre as economias da zona do euro e é a quarta maior economia da União Europeia. O país tem uma forte e diversificada indústria de manufatura e é um dos maiores destinos turísticos do mundo. No entanto, após o estouro de uma bolha imobiliária, o país entrou em recessão e só começou a se recuperar em meados de 2013. A crise econômica resultou em perdas muito grandes na produção e no emprego, e quase um quarto da população ativa ficou desempregado nos últimos cinco anos. Estamos agora no décimo primeiro trimestre consecutivo de crescimento econômico desde a grande crise de 2008, impulsionados pelos gastos públicos e das famílias. Quais são as perspectivas de crescimento econômico daqui para frente?

Neste momento, estamos vivendo uma recuperação que já se estende por vários trimestres, mas que foi prejudicada pela situação política criada na época das eleições de dezembro de 2015 e junho de 2016 e na falha em formar um governo nesse ano.

Analisando as coisas por setores, alguns estão se saindo muito bem, como o turismo e o setor automotivo, e os níveis de exportação parecem estar crescendo. Além disso, estamos começando a ver certo grau de atividade na área de habitação, especialmente nos segmentos de médio/alto nível, embora o estoque existente de 2005 ainda não tenha sido totalmente absorvido. No entanto, devido ao elevado nível de endividamento e à situação política, os investimentos em infraestrutura e obras públicas permanecem muito baixos.

Em resumo, o país depende fundamentalmente da iniciativa privada para o desenvolvimento saudável, tanto no setor industrial como no mercado imobiliário.

 

E o mercado da construção? Para que exatamente o país precisa da Sika?

Claramente, o modelo de construção espanhol é e continuará a ser diferente do que existia antes da crise, com os níveis máximos de consumo de cimento estimados em cerca de 20 milhões de toneladas e cerca de 250.000 novas casas construídas por ano, o que significa que o setor precisará se basear mais na qualidade do que na quantidade.

Novas tendências e conceitos, como sustentabilidade e eficiência energética, serão fundamentais no futuro. A Sika precisa oferecer inovação contínua em novos produtos e sistemas, trabalhando lado a lado com universidades, centros tecnológicos e de pesquisa.

 

Quais são as metas imediatas da Sika Espanha?

Sem dúvida, nossa meta é manter nossa posição de liderança de mercado, se possível melhorando nossa marca e abraçando nosso papel na sociedade, cumprindo os critérios de sustentabilidade e responsabilidade corporativa, e tudo isso sem nunca perder nosso foco no cliente.

 

O autor Anthony Ham escreveu o seguinte sobre a Espanha: "A vida que corre incansavelmente por estas ruas sempre produz em mim a sensação de que este é um lugar onde tudo pode acontecer. Aqui, as paixões do povo espanhol são o tecido da vida diária. Este é um país com música na alma, amor por boa comida e paisagens selvagens, e um talento especial para celebrar todas as coisas boas da vida..." Acho que isso descreve muito bem o que a Espanha realmente é, não concorda?

A Espanha é um dos países mais atraentes do mundo graças à sua cultura, clima, gastronomia... o estilo de vida, muito aberto e com várias coisas acontecendo nas ruas, significa que as pessoas daqui conseguem combinar com muito sucesso dedicação altamente profissional ao seu trabalho com as boas coisas da vida em relação a todas as oportunidades e potencialidades que o país tem a oferecer.

 

Do que você pessoalmente gosta mais da vida na Espanha?

Nosso estilo de vida, nossa cultura, a maneira como nos relacionamos com os outros, a paixão com a qual encaramos tudo o que fazemos... Não é algo que possa ser descrito; tem de ser experimentado.

 

Quais são suas aspirações para seu país daqui para frente?

Minha "lista de Natal"? É fácil: eu pediria estabilidade política e econômica, para nos permitir focar em projetos que agregarão valor e trarão riqueza à nossa sociedade... E gostaria que a construção, o setor que sempre foi a força motriz da economia espanhola, voltasse ao topo, que é o seu lugar.